CARNAVAL: O PERIGO DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO BEIJO QUE PODEM COMPROMETER SUA SAÚDE E CAUSAR RISCO DE VIDA. CARNAVAL: O PERIGO DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO BEIJO QUE PODEM COMPROMETER SUA SAÚDE E CAUSAR RISCO DE VIDA.
bbg20

CARNAVAL: O PERIGO DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO BEIJO QUE PODEM COMPROMETER SUA SAÚDE E CAUSAR RISCO DE VIDA.



Segundo definição genérica, o carnaval é uma festa popular coletiva, que foi transmitida oralmente através dos séculos, como herança das festas pagãs. Alguns estudiosos afirmam que a comemoração do carnaval tem suas raízes em alguma festa primitiva, de caráter orgíaco. Por conta disso, nesse período há também o aumento no número de casos de DSTs e outras doenças causadas pelo contato direto e intimo entre as pessoas, como viroses respiratórias, conjuntivites, hepatites e a temida mononucleose, também conhecida popularmente como a doença do beijo. 

As doenças que podem ser transmitidas pelo beijo são, na maioria, infecções por vírus, bactérias e fungos que são passados através da saliva ou gotículas de saliva, como gripe, mononucleose, herpes e caxumba. Os sintomas costumam ser febre baixa, dor no corpo, resfriado e caroços no pescoço. Apesar de geralmente estas doenças serem de curta duração e curarem sozinhas, em algumas pessoas, podem ocorrer complicações, como a propagação da infecção para outros locais do corpo chegando até mesmo atingir o cérebro. 

Para prevenir estas doenças, é recomendado evitar o contato íntimo como o uso compartilhado de copos, garrafas e beijos com pessoas desconhecidas ou sem relação de confiança, porque na maioria das vezes não dá para saber se a pessoa está ou não doente. 

As principais doenças que podem ser transmitidas pelo beijo são: 

1. Mononucleose infecciosa 

A mononucleose é uma doença contagiosa, causada pelo vírus Epstein-Barr, também conhecida como doença do beijo, pois é comum aparecer após beijar pessoas desconhecidas em festas. Os principais sintomas são: fadiga, mal-estar, dor no corpo e febre, que pode ser baixa ou chegar a 40ºC, dor de garganta e gânglios na região do pescoço, que duram entre 15 dias e 1 mês. Algumas pessoas podem ter uma variante mais intensa da doença, dor intensa nas juntas, dor na barriga e manchas pelo corpo. Na presença destes sintomas, deve-se procurar atendimento com clínico geral, que irá fazer o exame clínico e solicitar exames de sangue. O tratamento consiste na administração de medicamentos para controlar os sintomas, repouso e ingestão de muito líquido. Não existe um medicamento específico para a infecção, que pode durar até 2 meses. 

2. Gripe e resfriados 

A gripe é causada pelos vírus do tipo Influenza, enquanto o resfriado pode ser causado por mais de 200 tipos de vírus como rinovírus e coronavírus. Os principais sintomas são: febre que pode chegar a 40ºC, dores no corpo, dor de cabeça, coriza, dor de garganta e tosse seca. Estes sintomas duram cerca de 1 semana, e curam sozinhos. O resfriado é uma variante mais leve e provoca coriza, espirros, congestão nasal, dor de cabeça e febre baixa. O tratamento consiste na administração de medicamentos analgésicos e antitérmicos, além de repouso, hidratação e alimentação adequada para fortalecimento da imunidade. 

3. Herpes 

O herpes labial é causado pelo vírus herpes simples, que pode infectar a região dos lábios ou da região íntima pelo contato com a saliva de pessoas que têm este vírus. A transmissão é feita pelo contato direto com lesões das pessoas infectadas, principalmente através do beijo. Os principais sintomas são: lesões na pele, principalmente ao redor dos lábios, que são vermelhas, com pequenas bolhas amareladas, que causam formigamento e dor, além de febre, mal-estar, dor de garganta e gânglios no pescoço. Estas lesões duram cerca de 7 a 14 dias, mas sempre que a imunidade baixar poderão surgir novas lesões. A confirmação desta infecção é feita pelo clínico geral. Bebês ou pessoas com imunidade enfraquecida, como portadores do HIV, por exemplo, podem desenvolver uma variante grave da doença, com febre alta, múltiplas lesões na pele e até inflamação do cérebro. No tratamento podem ser usadas pomadas com propriedades antivirais, por cerca de 4 dias, que ajudam a diminuir a multiplicação do vírus, evitando piorar ou transmitir para outras pessoas. Além disso, pode-se também fazer o tratamento em comprimido, que deve ser tomado por cerca de 7 dias, e devem ser prescrito por um clínico geral. 

4. Catapora 

Também conhecida como varicela ou cobreiro, a catapora é uma doença muito contagiosa, causada pelo vírus da varicela-zoster, que ocorre principalmente em crianças, mas, adultos que nunca tiveram ou que não foram vacinados, também podem ser contaminados. A infecção é feita pela saliva ou pelo contato com as lesões da pele. Os principais sintomas são: pequenas lesões na pele, inicialmente com bolhas, que viram crostas após alguns dias, que podem ser várias, ou ser quase imperceptíveis em algumas pessoas. Também pode haver dor no corpo, febre baixa e cansaço, que duram cerca de 10 dias. Pessoas frágeis, como recém nascidos, idosos ou que têm a imunidade enfraquecida podem desenvolver uma variante grave, que causa infecção do cérebro e risco de morte. O tratamento é feito com cuidados com as feridas, mantendo-as limpas e secas, além de repouso, hidratação e medicamentos para dor e febre. A vacina da catapora está disponível, pelo SUS, para crianças acima de 1 ano e pessoas que nunca tiveram esta doença. 

5. Caxumba 

A caxumba, também conhecida como papeira ou parotidite, também é uma infecção viral transmitida por gotículas de saliva, causada pelo vírus Paramyxovirus, que inflama as glândulas salivares e sublinguais. Os principais sintomas são: inchaço e dor na região da mandíbula, dor ao mastigar e engolir, febre de 38 a 40ºC, dor de cabeça, fadiga, fraqueza e perda do apetite. Em homens, o vírus da caxumba também pode infectar a região dos testículos, causando a orquiepididimite, com dor e inflamação desta região. Outra complicação pode ser a meningite, que causa forte dor de cabeça e nestes casos é aconselhável ir imediatamente ao pronto-socorro. O tratamento consiste no controle dos sintomas com medicamentos para dor, febre e enjoo. Além disso, o repouso e a hidratação são essenciais, além de uma alimentação leve, com poucos ácidos, para não irritar as glândulas salivares. Esta doença pode ser evitada, também, com a vacina tríplice viral ou tetra viral, no entanto, é necessário um reforço da vacina na idade adulta para estar realmente protegido. 

6. Candidíase 

A candidíase também é conhecida como sapinho, e é causada por fungos do tipo Candida. Alguns tipos deste fungo estão presentes em nossa pele naturalmente, e outros podem causar a doença, principalmente se a imunidade estiver baixa, e são transmitidos pelo contato direto, como através do beijo. Os principais sintomas são: lesão avermelhada ou esbranquiçada na língua, que pode ser dolorida, e dura cerca de 5 dias. Entretanto, em pessoas mais frágeis ou com a imunidade enfraquecida, como bebês, desnutridos ou com doenças crônicas, por exemplo, podem desenvolver a forma mais grave da infecção, com várias placas brancas na boca. No tratamento pode ser usado um antifúngico em pomada local à base de nistatina, 4 vezes ao dia e em casos mais graves, podem ser necessário recorrer a comprimidos como o cetoconazol, prescritos por um médico. 

7. Sífilis 

A sífilis é uma doença sexualmente transmissível, causada pela bactéria Treponema pallidum, mas que também pode ser transmitida pela saliva, em pessoas que têm pequenas feridas na boca. Os principais sintomas são: pequenas lesões, localizadas na boca ou na região íntima que, se não forem tratadas, podem evoluir para uma doença crônica, que se dissemina pelo corpo, podendo causar lesões cerebrais, cardíacas e ósseas. A confirmação da doença é feita com raspagem das lesões e exames de sangue para confirmar a presença da bactéria. O tratamento é feito pelo clínico geral ou infectologista, através do antibiótico penicilina injetável. Não existe vacina ou imunidade contra esta doença, que deve ser evitada usando camisinha e evitando o contato íntimo com desconhecidos. 

Além destas doenças, existem muitos problemas de saúde que são passados através da saliva, como bactérias que causam cárie e tuberculose, e diversos tipos de vírus, como da rubéola e sarampo, por exemplo. 

O desgaste físico, exposição ao sol e bebidas alcoólicas, facilitam ainda mais estes tipos de infecção, porque abalam a imunidade. Tomar os cuidados necessários, saber se prevenir e, principalmente, não beijar qualquer pessoa é fundamental para quem quer evitar futuros problemas com a saúde e brincar o Carnaval com tranquilidade e segurança. 

Para tentar manter a imunidade sempre em alta, é importante ter uma alimentação equilibrada rica em vitaminas, beber muita água e realizar atividade física. 

Reiteramos que o principal objetivo dessa postagem é informar aos foliões o perigo da prática de beijar desconhecidos no período carnavalesco e que diante de qualquer sintoma dos mostrados acima,, um médico deverá ser consultado e de forma alguma deve-se realizar a automedicação. 

Previna-se!