MONITOR DA VIOLÊNCIA REGISTRA MAIS DE 26 MIL ASSASSINATOS NO 1º SEMESTRE DE 2018. MARANHÃO, PARANÁ E TOCANTINS NÃO DIVULGARAM ESTATÍSTICA COMPLETA. MONITOR DA VIOLÊNCIA REGISTRA MAIS DE 26 MIL ASSASSINATOS NO 1º SEMESTRE DE 2018. MARANHÃO, PARANÁ E TOCANTINS NÃO DIVULGARAM ESTATÍSTICA COMPLETA.
bbg20

MONITOR DA VIOLÊNCIA REGISTRA MAIS DE 26 MIL ASSASSINATOS NO 1º SEMESTRE DE 2018. MARANHÃO, PARANÁ E TOCANTINS NÃO DIVULGARAM ESTATÍSTICA COMPLETA.




Desde o início do ano, jornalistas do Portal G1 espalhados pelo país, solicitam dos estados e das secretarias de segurança via Lei de Acesso à Informação, os dados sobre homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. 

O índice nacional de homicídios criado pelo G1 é uma ferramenta que permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país e compõe o Monitor da Violência, uma parceria criada entre o Portal de Notícias, o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O objetivo é, além de antecipar os dados e possibilitar um diagnóstico em tempo real da violência, cobrar transparência por parte dos governos.

Segundo o levantamento, mais de 26.126 pessoas foram assassinadas no primeiro semestre deste ano no Brasil. O número de vítimas é ainda maior porque a estatística não comporta os dados totais de três estados (Maranhão, Paraná e Tocantins), que não divulgaram todos os números.

O número consolidado até agora contabiliza todos os homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, que juntos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais. Houve uma média de 4.350 casos por mês.

Segundo os dados, a situação é mais grave nos estados das regiões Norte e Nordeste do país, que ocupam as dez primeiras posições do ranking nacional de homicídios, a taxa nacional foi de 12,5 mortes por 100 mil habitantes, a situação mais dramática é a de Roraima, com 27,7 mortes para cada 100 mil habitantes, é o estado com a maior taxa de mortes violentas do Brasil no primeiro semestre de 2018. Caso o ritmo seja mantido, Roraima pode dobrar o total de assassinatos em relação ao ano anterior. 

Os estados do Rio Grande do Norte, Ceará e Acre, respectivamente na segunda, terceira e quarta posição do ranking nacional de homicídios, também enfrentam situações dramáticas, decorrentes de rivalidades entre facções.

Integram ainda a parte superior do ranking no primeiro semestre deste ano os estados de Sergipe (5°), Pará (6°), Pernambuco (7°), Alagoas (8°), Amapá (9°) e Bahia (10°). Todos esses lugares correm o risco de encerrar 2018 com taxas acima de 50 mortes por 100 mil habitantes caso as autoridades não consigam implementar políticas capazes de reverter a situação em curto prazo e reduzir o ritmo de violência. Na outra ponta ficou o estado de São Paulo com o índice de 3,8, sendo considerado o estado menos violento no ano de 2018.

Para Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, "Saber onde acontecem os principais crimes, como eles ocorrem e quais suas principais vítimas são o primeiro passo para qualquer ação que tenha por objetivo interromper a violência" ainda segundo ela, a violência gera efeitos em diversas áreas do país, como saúde, economia e educação. Diante dos impactos, ela destaca o fato de o governo federal ainda não ter um sistema nacional de monitoramento de criminalidade para subsidiar ações e prestar contas à sociedade.

Dos três estados com dados ainda incompletos, só o Maranhão informou dados até o mês de maio, segundo a Secretaria de Segurança Pública, os números de junho de todo o estado ainda não foram consolidados pelo governo.

Os outros dois estados também não informaram os números de abril e maio. 

Veja a justificativa de cada um deles:

Paraná: A Secretaria da Segurança Pública diz que o setor de estatística tem quatro ciclos de qualidade da informação e foram identificados problemas com números de alguns municípios. Por isso, não há dados fechados de abril, maio e junho.

Tocantins: A Secretaria de Segurança Pública não informa os dados separados desde fevereiro. A SSP diz que o setor de estatística não consegue disponibilizar os números mês a mês devido à dificuldade de algumas delegacias em enviar os dados de cada período. Os dados dos últimos dois meses ainda não foram consolidados. Só há o dado de janeiro disponível no mapa.

Veja os números registrados pelo estado do Maranhão nos cinco primeiros meses do ano de 2018:

MÊS
HOMICÍDIOS
ÍNDICE (por 100 mil habitantes)
JANEIRO
164
2,33
FEVEREIRO
131
1,86
MARÇO
152
2,16
ABRIL
121
1,72
MAIO
137
1,90
EM 5 MESES
705
Média de  Aprox. 10 mortes.*
* Média de aproximadamente 10 mortes por 100 mil habitantes acumulada nos primeiros 5 meses, calculada pelo blog, tendo como referência uma população estimada de 7.000.000 de habitantes.

No maranhão durante todo o ano de 2017 foram registrados 1945 assassinatos por homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, o que resultou em um índice de 27,8 mortes por 100 mil habitantes.

Acompanhe os índices do estado nos anos anteriores.

ANO

ÍNDICE (por 100 mil habitantes)

2011

23.2

2012

24.6

2013

25.9

2014

30.6

2015

31.7

2016

31.9

2017

27.8











Fonte: Portal G1 https://g1.globo.com